Brasil espera que 2015 traga avanços à reforma do Conselho de Segurança

Mônica Villela Grayley - Rádio ONU05.01.2015 - 11h09 | Atualizado em 05.01.2015 - 11h18

 

 

O Brasil espera que o novo ano traga avanços no processo de reforma do Conselho de Segurança da ONU.

 

Segundo o embaixador do país na organização, Antonio Patriota, 2015 é importante para as Nações Unidas que completam 70 anos de existência. Nesta entrevista à Rádio ONU, o embaixador Patriota afirmou que este tema tem avançado pouco na agenda da organização.

 

Leia mais: 

 

Angola reafirma apoio ao Brasil no Conselho de Segurança da ONU

 

Paz e Segurança

 

"Esperamos também que haja possibilidade de avançarmos no território da reforma do Conselho de Segurança que permanece, digamos, o grande capítulo de reforma das Nações Unidas ainda não satisfatoriamente equacionado. Enfim, só esses elementos aí já nos darão muito trabalho e demonstram que a agenda, tanto de paz e segurança como de desenvolvimento sustentável, como também em outras áreas, por exemplo, nos direitos humanos, continuaremos a trabalhar intensamente."

 

A configuração atual do Conselho de Segurança tem cinco países com assentos permanentes e 10 com cadeiras rotativas e mandatos de dois anos cada. No momento, um único país de língua portuguesa, Angola, participa do Conselho.

 

De acordo com o embaixador Patriota, o Brasil atuará ainda ativamente nas comemorações de 70 anos de fundação das Nações Unidas.

 

Revisão

 

O país também deve contribuir para o processo de revisão do trabalho das missões de paz da ONU.

 

A iniciativa está sendo realizada por um painel dirigido pelo Prêmio Nobel da Paz e ex-presidente do Timor-Leste José Ramos Horta.

 

Dois generais brasileiros lideram Missões de Paz da ONU. O comandante José Luiz Jaborandy Júnior no Haiti e o general Carlos Alberto dos Santos Cruz, que chefia a maior operação de paz das Nações Unidas, na República Democrática do Congo, a Monusco.